Elogio à grandiosidade do homem e seu legado de destruição.

O homem de ontem foi o arauto de nosso declínio, em sua época ninguém o previu, porém seus próprios feitos o preveniram. Afinal, quem poderia admitir que, em dia tão banal e lugar tão comum, algo tão grave e sério poderia ocorrer? Um dia nos alertaram: deve-se tomar cuidado com tudo que acontece sob a influência e auspício de mercúrio.

Eram tão óbvios seus descuidos que foram as crianças que primeiramente os observaram, pois eram, em seu tempo, simples e pequenas desobediências, como são as da própria criança.

O poderoso homem não observa as pequenas coisas, só tem olhos para a imensidão que espelha sua própria ambição. Vislumbra o lugar de onde o próprio criador declarou seu recolhimento. Justamente ele que, pelo mérito de ter sido tão disponível, teria todo direito à autoria de destruição de sua própria obra e criação. Presenteou ao homem, e sua filha, tal esdrúxulo legado. O de serem misericordiosos. Há quem admire tal feito. Percebo aí a estranha grandiosidade deste varão, seu maior presente foi e continua sendo uma sentida forma de ausência. Esta é preenchida, era após era, pelo desprezo do grande por tudo o que é pequeno. Pelo desprezo do grande por tudo aquilo que o compõe.

O silêncio insiste em perguntar ao homem grande e lhe faz o pedido por uma canção: que te falta? São muitos os meus desejos. O que te satisfaz? Nada menos que tudo! A quem ofereces seus dons? Ao sucesso de minha empreitada. A que serve sua empreitada? Ao acréscimo de meu próprio poder.

O declínio é tão óbvio para os pequenos, para os que atentam ao solo e acompanham seu movimento. Basta ver! Vocês por acaso não viram? Aconteceu ontem aos olhos de todos!
O homem grande desceu a ladeira olhando para cima! Orgulhosamente está se aproximando do buraco que se encontra logo ali adiante. Este é a morada de tudo o que ele não está disposto a admitir e evita, visita-o tão somente em pesadelos e nas pálidas memórias do tempo em que adoeceu. Um dia ele quase morreu. Pelo buraco transitam hoje apenas as imundices, nele se deposita somente, por falta do ralo, a água da chuva. Por isso, não atenta para sua realidade e convite.

O grande homem simplesmente não verga. Ele é estrela, decresce na cadência de inúmeras desatenções, ele se torna decadente. Disfarça, a cada passo, seu desleixo, suas mãos denunciam o esforço de seu disfarce.

A todo homem se credita uma grande mulher, é verdade. São todos que o admiram, que se enganam com seu autoengano, numerosos se tornaram os seios usurpados para não abandonar os de sua própria mãe, ao qual o imediato preenchimento sua passividade reluta em afastar. Porém, fartos ele deixou a todos que nele confiaram e com ele se emaranharam.

O grande homem está também na atitude da poderosa mulher. Muitos em nosso entorno apostam e jogam a sorte do grande homem, acreditam em sua promessa e se convencem de seus encantos, em benesses milagrosas, em tudo que vem a ser sem esforço. Os bichos, porém, ainda farejam seu veneno e evitam seu encontro.

O grande homem de hoje encena nossa destruição. Sua música não pode ser ouvida, pois sua canção não foi nem mesmo sussurrada. Bastaria uma escuta para salvá-lo de sua tenebrosa repetição.
O tempo de uma vida, e inúmeras oportunidades teve para criá-la.
O silêncio pode ser terrível para quem deve à terra uma canção.

Círculo Aletheia

Aletheia é uma prática espiritual, não fundamentada em nenhum dogma religioso, que tem como foco o desenvolvimento de uma inteligência sensível, uma capacidade que nos alinha às necessidades de nosso corpo e alma e que nos auxilia a realizar escolhas mais autênticas e representativas da nossa interioridade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *